29 de out de 2011

Pensamento do dia


“Eu trocaria toda a minha tecnologia por uma tarde com Sócrates”.

(Steve Jobs /Newsweek, 2001).



16 de out de 2011

"Falha Nossa" no Caldeirão do Huck


Caldeirão do Huck (Foto: @macjulius)

Quem assistiu, ontem, ao programa Caldeirão do Huck deve ter se emocionado com a história mostrada no quadro Lata Velha: a persistência de um professor para conseguir a reforma do ônibus que atende à APAE de Montes Claros. Aplausos para a iniciativa!

Mas os espectadores mais atentos viram um erro de português quando o programa citou a melhoria dos assentos do ônibus. Escreveram a palavra com “c”. O termo acento tem vários significados, entre eles, “sinal gráfico que se usa sobre uma vogal para indicar a sílaba mais forte”. Poltronas, cadeiras ou bancos são assentos.

Caros leitores, falhas assim não deveriam acontecer nos meios de comunicação, mas o objetivo dessa postagem não é engrossar o coro das críticas. Minha intenção é alertá-los para o cuidado necessário na hora de escrever, consultando o dicionário em caso de dúvida e sem esquecer a revisão do texto.

É isso!

12 de out de 2011

Quando existe crase?


Caros leitores, em outra postagem, comentei sobre situações em que não ocorre o fenômeno da crase. Hoje vou falar sobre a existência de crase, com exemplos, para tentar simplificar um pouco a questão. Afinal, é como diz o poeta Ferreira Gullar, “A crase não foi feita para humilhar ninguém”.

Relembrando: ocorre crase quando acontece o encontro da preposição “a” com outro “a”, que pode ser um artigo ou um pronome demonstrativo.

Uma sugestão: dividam a frase no ponto duvidoso e pensem:

1º O termo anterior pede a preposição “a”?
2º O que vem depois admite o artigo “a”?

Se a resposta for sim para as duas perguntas, haverá crase.

Exemplo: vou a festa ou vou à festa?

Vou a / a festa. Então, dizemos "vou à festa".

Obs: é uma festa determinada, por isso admite o artigo definido "a". Mas e se a frase fosse "Vou a festas"? A divisão ficaria assim: "Vou a / festas". São festas de um modo geral, então não existe o "a" (artigo) para se encontrar com o outro "a" (preposição), percebem? Conclusão: sem encontro, sem crase.

Outra dica: experimentem trocar a palavra feminina por uma masculina. Se aparecer “ao” antes dessa palavra masculina, existe crase na frase original.

Exemplo:
Vou ao cinema. (Vou à festa).

Por hoje, é só.

Abraços!

1 de out de 2011

Pensamento do dia


"É fácil ser pedra, o difícil é ser vidraça!..."

(Autor desconhecido)