31 de mar de 2012

Pensamento do dia


"Sou um ateu, graças a Deus!"

(Frase do polêmico cineasta espanhol Luis Buñuel, cuja obra está sendo apresentada em retrospectiva no Cine Humberto Mauro/Palácio das Artes, em Belo Horizonte, até o dia 22 de abril, com entrada gratuita).

17 de mar de 2012

A palavra é: ORA

"Muita gente tem dificuldades para entender quando se deve usar a palavra ‘ora’, em vez de ‘hora’.

Bem, ‘hora’ deve ser usada quando ela for um substantivo referente ao dia e suas 24 horas. Por exemplo em ‘Quanto você ganha por hora de trabalho?’ ou em ‘É, agora, uma hora da tarde’.

Já a palavra ‘ora’ tem quatro significados, segundo o Aulete digital. Pode ser ‘nesta ocasião, agora’ (‘a lei, ora apresentada, proíbe a venda de armas’), pode significar ‘ou... ou...’ (‘ora estava de bom humor, ora estava de mau humor’), pode ser também ‘entretanto’ (‘Eu ofereci ajuda; ora, orgulhosa como é, nem aceitou’) e também pode significar surpresa, ironia ou irritação (‘Ora! Quem é vivo sempre aparece!’)"
Fonte: www.aulete.com.br (Palavra do dia)

Caros leitores, lembrei-me do verbo 'orar' no sentido de rezar ('Ela sempre ora antes de dormir'). Tem também o 'orar' quando se faz uso da oratória para apresentar um evento, por exemplo, ou fazer um discurso: "...orava um ministro para quem coroa e opinião no Brasil eram a chapa e o cunho da mesma moeda..." (José de Alencar, Senhora).

Quantas possibilidades, não é mesmo? VIVA a diversidade da nossa língua portuguesa!!!

Até a próxima!

10 de mar de 2012

Sobre frangos e fraldas



Caros leitores, fiquei aqui pensando: será que a pessoa que comprar (e comer) o tal "frango semi caipira" deverá, por segurança, levar também as fraldas descartáveis? (risos)

3 de mar de 2012

Dicionário preconceituoso?

“O Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais considerou pejorativas e preconceituosas as definições para o verbete cigano no Dicionário Houaiss da língua portuguesa, e ajuizou ação civil pública contra a Editora Objetiva e o Instituto Antônio Houaiss, exigindo a imediata retirada de circulação, suspensão de tiragem, venda e distribuição da obra com esse conteúdo.” (Jornal Estado de Minas, 28/2/2012).

Segundo a notícia, tudo começou em 2009, quando o MPF em Uberlândia recebeu a representação de um cidadão de origem cigana questionando “a prática de discriminação e preconceito pelos dicionários” contra sua etnia.

Assim como Monteiro Lobato chegou a ser acusado de “racista e perverso” por causa do conteúdo do livro Caçadas de Pedrinho, agora é a vez do Houaiss ir para o banco dos réus.

Na avaliação de Milton Nascimento (não o cantor), professor de linguística da PUC Minas, não é possível criticar um termo a partir de sua definição nos dicionários, uma vez que são opções apresentadas e que podem ser utilizadas de forma variada. “Argumentar contra um item dicionarizado é uma estupidez, já que são registrados usos variados e possíveis para cada termo. A palavra não tem nenhum significado fora de um contexto, ela depende de outros fatores. Os dicionários registram referências já existentes e usadas anteriormente”, explica.

Caros leitores, concordo com o professor Milton e vejo essa questão como mais uma polêmica desnecessária, entre tantas surgidas na língua portuguesa.

Cliquem em http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2012/02/27/mpf-quer-tirar-de-circulacao-o-dicionario-houaiss.htm e saibam mais sobre o assunto.

Até a próxima!